Arquivo da tag: univem

Palestra: “Introdução ao Software Livre e Gerenciamento de Documentos com Alfresco” – FLISOL 2015 – Marília

Anúncios

Univem oferece curso de extensão de Educação à Distância

O Univem, por meio do Núcleo de Educação à Distância (NEaD), ligado ao Computing and Information Systems Research Lab – COMPSI, mantido pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, abriu inscrições para o curso “Capacitação em Projetos de Educação à Distância“.

Este curso tem como objetivo capacitar profissionais e professores na implantação de ambientes de Educação à Distância (EAD) por meio da plataforma Moodle visando a formação de tutores para projetos EAD contemplando uma visão técnica e pedagógica da ferramenta introduzindo suas possibilidades e refletindo sua pedagogia.

O Moodle é uma ferramenta para autoria e gestão de cursos à distância. É um software livre, gratuito, que já possui um excelente grau de amadurecimento e está traduzido para o português.

É usado em cerca de 2.900 projetos educacionais em 112 países, e quase 80 projetos educacionais no Brasil (universidades e cursos), incluindo grandes universidades públicas e particulares e projetos corporativos.

O curso é direcionado a profissionais de Instituições de Ensino, Empresas, Corporações – públicas ou privadas que já trabalham ou estão em processo de implementação de projetos em Educação a Distância ou desejam conhecer sobre esse modelo de educação e treinamento.

O curso acontece no período de 25 de abril a 09 de maio e nesse período o aluno determina seu próprio ritmo, de modo a dedicar, em média, a sua escolha 1 hora diária de estudo dos conteúdos utilizando a Internet, troca de idéias com os colegas, participação nos fóruns, chats e outras atividades propostas.

É importante o acesso ao curso desde o início, para estudo e leitura de mensagens do tutor e colegas. Este curso não contempla momentos presenciais.

Cada aluno terá direito ao ambiente no Moodle como professor/tutor e editor e irá construindo um curso paralelamente ao que estiver estudando no ambiente da turma.Praticando ao mesmo tempo as orientações vistas e discutidas.

As inscrições acontecem no período de 24 de março a 25 de abril pelo site do curso. Para maiores informações e inscrição acesse a página do curso: http://www.univem.edu.br/compsi/ead.

Despedida …

Alguns já sabem, outros passam a saber agora.

Neste janeiro estou encerrando meu ciclo de trabalho no UNIVEM (Centro Universitário Eurípides de Marília)  onde sou professor nos cursos de bacharelado em Ciência da Computação e Sistemas de Informação e também nos cursos de Pós-Graduação; na UNESP de Marília, onde sou analista de informática desde 1997 e também na Fatec/Lins onde atuo como professor desde 2009.

A partir de agora vou assumir com orgulho uma cadeira de Professor Doutor no Departamento de Física de Matemática da USP de Ribeirão Preto, para onde pretendo me mudar por estes dias.

Essa mudança faz parte de um objetivo traçado quando iniciei o mestrado e que agora se concretiza.

Gostaria de agradecer imensamente a todas as pessoas que trabalharam comigo durante estes anos, em todos os lugares que passei, e digo, apesar de parecer fácil, essa mudança profissional e pessoal é muito difícil.

A partir de agora mudam os desafios, mudam os objetivos, mas vou continuar levando comigo tudo que aprendi por onde passei.

A Unesp eu só tenho a agradecer, cheguei lá um menino em 1997 e por lá aprendi praticamente tudo que sei sobre a vida acadêmica. Foi lá que tive certeza que precisava continuar os estudos e voltei à faculdade para seguir em frente, foi lá que aprendi a ser um profissional de informática e foi lá principalmente, no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, que aprendi a desejar  ser um acadêmico de verdade, que após mestrado e doutorado se realiza agora!

Sobre o UNIVEM, e principalmente aos seus alunos, foi um orgulho atuar nessa instituição por 7 anos completos. Por todos estes anos eu compartilhei de uma empresa séria e muito correta, preocupada em sempre seguir o trilho e atuar dentro de sua missão institucional. Ao UNIVEM devo o agradecimento pela confiança depositada no meu trabalho e a primeira oportunidade de trabalhar como professor no ensino superior. Com certeza esta é uma instituição onde eu colocaria meus filhos para estudar.

Ainda sobre o UNIVEM, eu não tenho dúvidas de que a equipe atual de professores e coordenação vai transformar em breve os cursos de bacharelado nos mais bem avaliados deste país. Fica aos alunos a informação de que minha saída é algo eventual, um desejo pessoal e nada tem a ver com a instituição ou atuação.

A Fatec/Lins foi a última experiência que tive, porém a primeira no ensino público, e não há dúvidas que lá eu reaprendi a atuar como professor. Agradeço o carinho de todos e a confiança depositada no meu trabalho por estes dois anos. Com certeza os bons momentos deixarão saudades.

Eu espero retornar a todos estes lugares sempre, sei que haverá bancas, parcerias e outras atividades que continuarão me ligando a estas instituições que agradeço agora.

Meu blog e twitter (@santaremsegundo) continuarão os mesmos.

Um abraço a todos.

Eduardo

Univem aprova 100% de alunos de Ciência da Computação no mestrado da UFSCAR

Alunos do curso de Bacharelado em Ciência da Computação do UNIVEM foram aprovados no processo seletivo para ingresso em 2011 no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação da Universidade Federal de São Carlos, nível Mestrado Acadêmico.

Todos os alunos que prestaram o processo seletivo foram aprovados. Esse alto índice de ingresso de alunos do UNIVEM nos melhores programas de pós-graduação do país tem sido regra nos últimos anos. Como no ano passado, 100% dos alunos que prestaram processos seletivos para programas de mestrado na UFSCAR, USP e UNESP foram aprovados .

A maioria dos programas de mestrado das universidades públicas utilizam em seu processo seletivo o resultado do Exame Nacional para Ingresso na Pós-Graduação em Computação (POSCOMP) que tem como objetivo específico avaliar os conhecimentos de candidatos a Programas de Pós-Graduação em Computação oferecidos no Brasil. Nesse sentido, os alunos do curso do Ciência da Computação do Univem têm obtido excelentes notas neste exame, facilitando a aprovação nos processos seletivos.

Parabéns aos alunos pela conquista e a todos os professores que contribuíram para essa sólida formação acadêmica que resultou nesse sucesso alcançado pelo bacharelandos.

A lista completa dos aprovados pode ser visualizada no endereço: http://www2.ufscar.br/interface_frames/index.php?link=http://www.dc.ufscar.br/pos-graduacao

Os alunos aprovados são:

Adriel de Oliveira Radicchi
Bruno Seiji Miyamoto
Davi Yoshinori Cangussú Nakano
Rogério Aparecido Campanari Xavier
Renato de Pontes Pereira

 

Fonte: Blog do Fusco

Grafo – Busca em Profundidade e Matriz de Adjacência

Continuando a postar exemplos de programa em linguagem C, vou apresentar a resolução de uma trabalho da disciplina de Teoria dos Grafos ministrada em 2009, do aluno Jonathan Schneider, do curso de Bacharelado em Ciência da Computação (UNIVEM).

O conteúdo envolve a criação de um grafo, além de apresentação da criação de matriz de adjacência e também de busca em profundidade.

O código foi testado com Codeblocks usando MingW.

—-

SEGUE O CÓDIGO

————————–

#include <stdio.h>
#include <conio.h>
#include <stdlib.h>

typedef struct
{
int topo;
int el[30];
}Pilha;

typedef struct
{
int fim;
int el[30];
}Visitados;

typedef struct
{
int el[30];
}Status ;

typedef struct
{
int adj[30][30];
int indice_inc;
int max;
}Vetor;

void cria_aresta(Vetor *mVetor, int vp, int vu){
// verifica se não se trata de um laço
if (vp==vu){
puts(“\n### ERRO :Primeiro e segundo vertices iguais, nao e permitido lacos ###\n”);

// verifica se a aresta já existe
}else if((mVetor->adj[vp][vu] == 1)||(mVetor->adj[vu][vp] == 1)){
printf(“\n### ERRO : A arresta V%d<—–>V%d ja existe ###\n”,vp,vu);

}else{ // cria aresta na matriz
mVetor->adj[vp][vu] = 1;
mVetor->adj[vu][vp] = 1;
mVetor->indice_inc++;
printf(“\n### CONCLUIDO :Arresta V%d<—–>V%d criada com sucesso ###\n”,vp,vu);

}
}

void apaga_aresta(Vetor *mVetor, int vp, int vu){

// verifica se aresta existe
if (( mVetor->adj[vp][vu]==1) || ( mVetor->adj[vu][vp]==1)) {
//apaga a aresta da matriz de adjacencia
mVetor->adj[vp][vu]=0;
mVetor->adj[vu][vp]=0;
// decrementa o indice
mVetor->indice_inc–;

printf(“\n### CONCLUIDO :Arresta V%d<—–>V%d EXCLUIDA com sucesso ###\n”,vp,vu);
}else{
printf(“\n### ERRO : Impossivel excluir, a aresta %d<—–>V%d nao existe ###\n”,vp,vu);
}
}

void cria_vetores(Vetor *mVetor, Visitados *mvis, Status *mstatus, Pilha *mpilha, int maximo){
//inicializacao da matris de adjacencia grafo
for (int i=0; i for (int j=0; jadj[i][j] = 0;

mVetor->indice_inc=0;
mVetor->max=maximo;

for (int i=0; iel[i]=0;
}
mvis->fim=0;

for (int i=0; iel[i]=0;
}

for (int i=0; iel[i]=0;
}
mpilha->topo=0;

}

void zerabusca(Vetor *mVetor, Visitados *mvis, Status *mstatus, Pilha *mpilha){
int maximo = mVetor->max;
for (int i=0; iel[i]=0;
}
mvis->fim=0;

for (int i=0; iel[i]=0;
}

for (int i=0; iel[i]=0;
}
mpilha->topo=0;
}

void imprime_adj(Vetor *mVetor){
printf(“\n=========================== Matriz de Adjacencia ==============================\n”);
printf(“===============================================================================\n”);

for(int i=0; imax;i++)
if(i==0){
printf(“|\tV0”);
}else if(i!=(mVetor->max-1)){
printf(“\tV%d”,i);
}else{
printf(“\tV%d\t|”,i);
}

for(int i=0; imax;i++){
printf(“\n|V%d\t”,i);
for (int j=0;jmax;j++){
printf(“%d\t”,mVetor->adj[i][j]);
}
printf(“|”);
}
printf(“\n===============================================================================\n\n”);
}

void busca_profundidade(Vetor *mvetor, Visitados *mVis, Status *mstatus, Pilha *mpilha, int inicio){

int novoinicio =99;
// adiciona o vertice inicio a lista de visitados

if(mstatus->el[inicio]!=1){
mVis->el[mVis->fim]= inicio;
mVis->fim++;
mstatus->el[inicio]=1;
// 1 visitado, 2 na pilha, 0 nada feito ainda
}

//i linha, j coluna
for (int i=0; imax; i++)
if(mvetor->adj[i][inicio]==1){
if(novoinicio==99){
if(mstatus->el[i]==0){
novoinicio=i;
}
}else if(mstatus->el[i]!=1){
mpilha->el[mpilha->topo]=i;
mpilha->topo++;
mstatus->el[i]=2;
}
}

if(novoinicio!=99){// se foi encontado um novo vertice não visitado
busca_profundidade(mvetor, mVis, mstatus, mpilha, novoinicio);
}else if(mpilha->topo!=0){// se não foi encontado um novo vertice
mpilha->topo–;

busca_profundidade(mvetor, mVis, mstatus, mpilha, mpilha->el[mpilha->topo]);
//é desempilhado

}else{
printf(“\n==================== Resultado da Busca em Profundidade =======================\n”);
printf(“===============================================================================\n”);

for (int i=0;ifim;i++){
printf(“%d\t”,mVis->el[i]);
}
printf(“\n===============================================================================\n”);
}
}

int main(){
int op,vp,vu,valor,novo;
Vetor mVetor;
Pilha mPilha;
Visitados mVisitados;
Status mStatus;

puts(“\nQuantos Vertices tera o grafo? (Para impressao da matriz na tela: maximo 9)”);
scanf(“%d”,&novo);
cria_vetores(&mVetor,&mVisitados, &mStatus, &mPilha, novo);

puts(“### CONCLUIDO :Novo Grafo iniciado com sucesso ###”);
system (“pause”);

do
{
system(“cls”);

printf(“===============================================================================\n”);
printf(“\n GRAFO.v1.3 – Matriz de Adjacencia/Busca em Profundidade\n”);
printf(“\n===============================================================================\n”);
puts (” 1|- Iniciar Novo Grafo”);
puts (” 2|- Criar Aresta”);
puts (” 3|- Apagar Aresta”);
puts (” 4|- Imprimir Matriz De Adjacencia”);
puts (” 5|- Realizar Busca em Profundidade”);
puts (” 6|- Sair”);
printf(“\n===============================================================================\n”);
scanf(“%d”, &op);
switch(op)
{
case 1: {
puts(“\nTem certeza que deseja inicar um novo Grafo? \n ( 1 = SIM , 0 = NAO )”);
scanf(“%d”,&novo);

if (novo==1){
puts(“\nQuantos Vertices tera o grafo? (Para impressao da matriz na tela: maximo 9)”);
scanf(“%d”,&novo);
cria_vetores(&mVetor,&mVisitados, &mStatus, &mPilha, novo);

puts(“### CONCLUIDO :Novo Grafo iniciado com sucesso ###”);
}else{
puts(“### OPERACAO CANCELADA: Novo Grafo nao iniciado ###”);
}
system (“pause”);
break; }

case 2:{puts(“Digite o PRIMEIRO vertice para a nova aresta:”);
scanf(“%d”,&vp);
puts(“Digite o SEGUNDO vertice para a nova aresta:”);
scanf(“%d”,&vu);
cria_aresta(&mVetor,vp,vu);
system (“pause”);
break; }

case 3:{puts(“Digite o PRIMEIRO vertice da aresta que deseja excluir:”);
scanf(“%d”,&vp);
puts(“Digite o SEGUNDO vertice da aresta que deseja excluir:”);
scanf(“%d”,&vu);
apaga_aresta(&mVetor,vp,vu);
system (“pause”);
break; }

case 4:{ imprime_adj(&mVetor);
system (“pause”);
break; }

case 5:{ zerabusca(&mVetor,&mVisitados, &mStatus, &mPilha);
puts(“Digite o vertice inicial da Busca”);
scanf(“%d”,&vp);
busca_profundidade(&mVetor, &mVisitados, &mStatus, &mPilha, vp);
system (“pause”);
break; }

}
} while (op!=6);
return 1;
}

 

 

Baixe arquivo aqui (após baixar renomeie de .key para .cpp)

10 razões pelas quais código livre é bom para os negócios

Após a finalização do CITOS (Congresso de Inovação em Tecnologias Open Source), promovido pelo UNIVEM, segue a notícia publicada pela Computerworld a respeito de software livre.

Com a crise financeira, as vantagens do software livre ficaram mais evidentes e a opção deve ser considerada.

 

Com tantas empresas e órgãos governamentais aumentando o uso de softwares open source, como o Linux, fica cada vez mais claro que o preço não é a única vantagem. Se fosse, as empresas que adotaram ferramentas abertas durante o pior da recessão já teriam retornado para soluções proprietárias agora que a economia está melhor. E esse não é o caso.

Os negócios que se viram empurrados para ferramentas de código livre após sofrerem com restrições de orçamento logo identificaram outras vantagens, observadas na lista a seguir.

1 – Segurança
É difícil pensar em um argumento melhor do que a superioridade das ferramentas de código aberto em termos de segurança. Recentemente, descobriu-se uma brecha no kernel do Android que poderia trazer riscos. Mas a única razão pela qual a falha foi descoberta é porque o código é aberto ao público.

Essa, aliás, é a filosofia de Linus Torvalds, criador do Linux: quanto mais olhos, mais as chances dos bugs serem identificados antes de causar incômodo. E é um argumento bem oposto à segurança pela obscuridade, usado por algum dos fabricantes de softwares proprietários caros como argumento para a estrutura fechada. Mas a falta de notificações de falhas de segurança no sistema do iPhone e do iPad ou no Windows significam que esses sistemas são mais seguros? A história prova que não.

2 – Qualidade
O que é melhor? Um software empacotado por um grupo pequeno de profissionais ou um software em criação constante por milhares de desenvolvedores? Assim como há milhares zelando pela segurança do código aberto, muitos outros estão pensando o tempo todo em inovar e melhorar os recursos.

O que isso significa? O código aberto também é feito por usuários, o que o torna mais próximo do que os usuários querem. E isso já foi provadio em estudos recentes, que demonstraram que a suposta superioridade é a razão principal pela qual empresas escolhem o código aberto.

3 – Personalização
Ter um software que pode ser alterado e customizado de acordo com o gosto da empresa, sem precisar esperar avanços por parte do fabricante, é também uma das maiores vantagens. Um desenvolvedor competente adiciona funcionalidades como quem altera palavras em um texto do Word.

4 – Liberdade
Quando os negócios se voltam ao código aberto, as empresas ficam livres da ameaça de ser aprisionada dentro de pacotes proprietários engessados. Clientes de fornecedores como esses ficam a mercê da visão, requisitos, preços, prioridades e limites impostos pelo fornecedor. E tudo isso com uma conta no final do mês ou do ano.

5 – Flexibilidade
Quando a empresa usa softwares como Windows ou Office, entra em um ciclo no qual precisa atualizar software e hardware infinitamente. O código livre, por outro lado, usa muito menos recursos da máquina e pode ser rodado até mesmo em hardwares mais lentos. A empresa decide a hora de atualizar, não o fornecedor.

6 – Interoperabilidade
Software livre é muito melhor na aderência a padrões abertos e até mesmo a ferramentas proprietárias. Se a interoperabilidade for necessária com outras empresas, computadores e usuários, a vida fica muito mais fácil com o código aberto.

7 – Auditoria
Com o sistema fechado, você só tem a palavra do vendedor para provar que o software é de fato seguro e aderente a padrões. O código aberto oferece visibilidade para o cliente, que pode ter mais certeza sobre o que está rodando em casa.

8 – Opções de suporte
Software de código aberto possui comunidades com extensas documentações, fóruns de discussões, listas, wikis, grupos de notícias e, dependendo de quem fornece a distribuição, até mesmo suporte ao vivo via chat gratuito.
Para os negócios que querem melhoria, há muitas opções pagas de suporte com preços bem menores do que os fornecedores proprietários cobram. Os fornecedores de suporte para ferramentas abertas costumam dar respostas melhores e mais rápidas, pois têm sua receita focada nesse serviço.

9 – Custo
O custo de comprar uma solução proprietária é muito difícil de ser medido, pois tem a proteção por vírus obrigatória, taxas de suporte, despesas de atualização e ainda o preço a ser pago por ser aprisionado em alguma solução. No final, o custo é muito maior do que a companhia imaginava inicialmente.

10 – É possível experimentar antes de usar
Se você está considerando usar o software de código aberto, não custará nada realizar testes de qualidade antes de usá-lo. Em parte porque é gratuito mesmo. E em parte porque o código aberto oferece muito mais opções para quem quiser testar, como a possibilidade de criar Live CDs para Linux, por exemplo.

Conclusão
Mesmo com todos esses argumentos, só a própria empresa será capaz de realizar uma análise profunda para verificar se o software livre é uma boa opção. Além disso, pode ser que o código aberto não seja a solução para todas as necessidades da empresa. Mas, diante de todos os benefícios, é necessário ao menos considerá-lo entre as opções.


Inauguração do COMPSI / UNIVEM

No dia 18 de maio às 10:00 horas, será inaugurado o Computing and Information System Research Lab (COMPSI).

Mantido pelos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação do UNIVEM, o COMPSI reúne um conjunto de laboratórios, pesquisadores e expertise, integrando-se e contribuindo para as atividades do Núcleo de Apoio à Pesquisa e Extensão do UNIVEM e tem como objetivos:

  • Fomentar a pesquisa nos cursos de bacharelado em Ciência da Computação e Sistemas de Informação;
  • Estimular os alunos a participarem de projetos extras sala de aula agregando na formação profissional dos mesmos;
  • Gerar projetos de software e hardware com vínculo no mercado colocando os alunos em situações profissionais reais;
  • Propiciar cooperação com outros laboratórios de pesquisa;
  • Buscar fomentos em relação à pesquisa científica em órgãos como FAPESP, CNPQ, FINEP e também da iniciativa privada;
  • Promover treinamentos corporativos.

Estrutura Física do COMPSI
O COMPSI é composto por laboratórios de pesquisa, prática profissional e de Educação à Distância conforme figura ao lado.

Núcleo de Educação à Distância: tem como objetivo a implantação da modalidade de educação não presencial no UNIVEM.


Núcleo de Prática Profissional em Sistemas de Informação: tem como finalidade colocar os alunos em contato com projetos com vínculo ao mercado, proporcionando experiência profissional dos alunos em desenvolvimento de softwares comerciais; propor treinamentos técnicos corporativos especialistas promovidos por profissionais, alunos e professores.


Laboratórios de Pesquisa:  propiciar aos alunos local para desenvolvimento orientado de projetos de pesquisa por meio da iniciação científica, trabalhos de conclusão de curso e projetos gerados pelo Núcleo de Prática Profissional, tanto nos cursos de Ciência da Computação e Sistemas de Informação, como nos cursos de pós-graduação.

Durante o evento será lançado o projeto de criação do Serviço de Geoprocessamento Aplicado a Negócios (SEGAN) que envolverá o UNIVEM em parceria com organizações públicas e privadas de Marília e região.
Para participar dessa inauguração confirme sua presença pelo telefone (14) 2105-0840 ou pelo e-mail compsi@univem.edu.br

%d blogueiros gostam disto: